domingo, 4 de outubro de 2015

A semana que afastou o risco do impeachment

http://jornalggn.com.br/noticia/a-semana-que-afastou-o-risco-do-impeachment


O Jornal de todos Brasis
No dia 28 de agosto passado, Lula passou por Belo Horizonte com destino a Montes Claros. Em BH, participou de um evento da CUT. Em Montes Claros do evento "Encontro dos povos das Geraes". Lá, discursou de forma veemente condenando o golpe.
De volta a Belo Horizonte, foi recebido pelo governador Fernando Pimentel no Palácio das Mangabeiras, residência oficial. Ainda emocionado pelo encontro de Montes Claros, falou de seu desejo de percorrer todo o país com uma pregação democrática.
Pimentel discordou:
- Presidente, o lugar que o senhor precisa estar é em Brasilia. É lá que o senhor é indispensável.
Lula aguçou o ouvido, enquanto Pimentel prosseguia:
  • De cada 10 deputados, 6 já foram da sua base e pelo menos 4 acompanharão o senhor aonde for. Ainda mais se houver sinais de que o senhor poderá voltar em 2018.
Lula ouviu meio ensimesmado, pareceu concordar mas não foi explícito.
No final de semana, Pimentel rumou para Brasilia para um encontro com a presidente Dilma Rousseff. Lá reiterou a importância de Lula entrar no corpo a corpo do pacto político. Dilma ouviu, aparentemente interessada.-
- Mas será que ele topa?
- A senhora terá que convidar. Sem ser convidado ele não virá.
- Então na segunda-feira ligo para ele.
Segunda terminou sem nenhuma ligação de Dilma. Pimentel recorreu ao assessor Giles Azevedo. Assoberbada com os problemas do orçamento, Dilma se enrolara com o tempo;
Pimentel insistiu e, finalmente, ela ligou para Lula.
Imediatamente Lula se pôs a campo, mudou-se para Brasília e começou a preparar o meio campo, recebendo os deputados, um a um, dando-lhes atenção devida.
Dentro da nova estratégia, Dilma deu um by-pass em Eduardo Cunha e, na melhor jogada política de sua curta carreira política, foi conversar direto com Jorge Picciani, um autêntico coronel fluminense, verdadeiro controlador do bloco de apoio que dá sustentação a Cunha.
Participaram ativamente das tratativas o ex-governador Sérgio Cabral e, principalmente, o atual governador fluminense, Pezão.
Com a saída de Aloisio Mercadante da Casa Civil, foi mais fácil a reaproximação de Dilma com o vice-presidente Michel Temer.
A semana terminou com a crise política amainada.
Um antigo secretário de Paulo Maluf explicava assim o prestígio do ex-chefe mesmo depois de ter perdido cargos executivos: Maluf tem credibilidade no mercado futuro. Isto é, tinha potencial para vencer futuras eleições e suficiente lealdade para premiar aliados.
O poder de Eduardo Cunha acabou no exato momento que a turba que o acompanha se deu conta de que, no mercado futuro da política, ele virou pó. Sua influência presente acabou por falta de futuro político.

Nenhum comentário:

Postar um comentário